Entenda por que os quiterienses não devem escolher o laboratório da vacina contra a Covid-19

Entenda por que os quiterienses não devem escolher o laboratório da vacina contra a Covid-19


Com a chegada da vacina da Janssen, único imunizante aplicado no Brasil que garante proteção contra a Covid-19 em apenas uma dose, especialistas de Santa Quitéria reforçam os efeitos colaterais de cada uma e afirmam que as pessoas não devem escolher uma vacina. 

A Coordenadora da vigilância epidemiológica/imunização, Emanuela Barbosa, afirma que todas as vacinas que estão sendo aplicadas em Santa Quitéria possuem eficácia comprovada, portanto é importante que as pessoas tomem aquelas que estão disponíveis. A gestora também afirmou que as reações adversas ocorrem de acordo com o organismo de cada um e os efeitos colaterais são normais. 

As vacinas disponíveis (quer sejam da Janssen, da Pfizer, da Astrazeneca ou da CoronaVac) são compradas pelo Governo Federal e repassadas a estados e municípios, os quais organizam essas aplicações conforme o Plano Nacional de Imunização (PNI).

“É o que eu sempre digo, a vacina boa, é a vacina no braço. A pessoa pode ter reação dependendo de como esteja o organismo naquele momento. Todos nós em algum momento das nossas vidas que tomamos vacina, já sentimos uma reação. Não é porque você tomou a vacina, que vai ficar doente. A reação é a forma que o organismo está reagindo para se proteger contra a doença.

‘Os efeitos são esperados’
A Coordenadora da Atenção Primária de Santa Quitéria, Daniele Feijão reforçou a fala de Emanuela Barbosa a citar a normalidade dos sintomas após a imunização contra a Covid-19. A orientadora ainda informa que os efeitos podem ser divididos entre reações locais e reações sistêmicas. 

“Dentro os efeitos, temos as reações locais no local da aplicação que pode ficar avermelhado, inchado... Ou seja, é algo esperado. Também temos as reações sistêmicas que são aquelas que se apresentam como um todo, por exemplo, a sonolência, dor no corpo, febre... É algo esperado da própria vacina”, explica. 

Ainda de acordo com Daniele, os sintomas devem durar até 72 horas e só é recomendado tomar algum remédio após algum sintoma. O tratamento de forma prévia, não é recomendado. 

No Ceará, 73 dos 184 municípios notificaram, entre 24 de janeiro e 19 de abril, casos suspeitos de Eventos Adversos Pós-Vacinação (EAPV). Ao todo, foram 916 notificações. Destas, 611 (66,7%) para a vacina do laboratório Sinovac/Butantan e 305 (33,3%) para o imunizante da AstraZeneca/Fiocruz.

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) divulgou ainda uma nota técnica com orientações para reações adversas à vacinação contra a Covid-19. A publicação estabelece que as unidades de saúde, públicas ou privadas, devem notificar a ocorrência no sistema do e-SUS, do Ministério da Saúde, em um período de 24 a 48 horas após a acusação das reações pelo cidadão. As unidades também devem atualizar as informações no sistema no decorrer da investigação.

Por que não posso escolher a vacina que quero tomar?
1. É urgente criar imunidade individual contra a Covid
2. É preciso acelerar e aumentar a cobertura da população
3. Não há vacinas suficientes para o 'sommelier'
4. É prioridade evitar a circulação do vírus e novas variantes
5. Salvar vidas é também uma responsabilidade coletiva

Recusa
Em entrevista ao AVSQ, Manuela Barbosa contou que desde o início da vacinação, alguns quiterienses assinaram o termo de recusa que serão usados em possíveis auditorias com o Ministério Público para prestação de contas. O público com mais resistência para tomar o imunizante foi a faixa etária acima de 70 anos. 

Entretanto, Manuela afirmou que a adesão a vacina vem ocorrendo de forma gradativamente e portanto, a maioria dos quiterienses desejam tomar o imunizante. “A gente não pode obrigar ninguém a tomar. Nós só podemos convencer, mostrar os resultados, os níveis de eficácia e tentar. Mas nem sempre funciona”, finalizou.