Feirante perde carro de trabalho e R$ 2,7 mil em incêndio

Feirante perde carro de trabalho e R$ 2,7 mil em incêndio


Amigos e familiares iniciaram uma vaquinha para ajudar o feirante Revildo Limeira da Silva, de 53 anos, que teve o carro de trabalho e R$ 2,7 mil para a compra de mercadoria queimados durante incêndio do veículo. O acidente ocorreu na madrugada deste domingo (6), em Crato, na Região do Cariri. De acordo com o Corpo de Bombeiros, uma pane elétrica no veículo teria sido responsável pelo incidente. A corporação foi acionada ao local, próximo à Encosta do Seminário, por volta de 5h10 de domingo. 

Revildo conta que ficou desesperado. “Eu compro fiado e sempre vou para Juazeiro do Norte pagar a dívida e, assim, poder comprar de novo e vender minhas verduras", explica. "Então, guardei o dinheiro embaixo do banco, pois tenho medo de roubos, e aconteceu isso”, lamenta. Todo o valor foi queimado com o carro, que ficou destruído. O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas as chamas já haviam atingido todo o automóvel. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o subtenente Roberto Bento, da 2ª Cia do 5º Batalhão de Bombeiros Militar do Crato, o carro havia acabado de ser abastecido, fato que contribuiu para que o fogo se alastrasse rapidamente, pelo conteúdo inflamável. O carro era uma Saveiro branca do ano 1996. "Demoramos uns 7 minutos para chegar ao local. O trânsito estava tranquilo, e conseguimos pegar uma boa velocidade, mas esse tipo de incêndio se espalha muito rápido. Quando chegamos, o veículo já estava praticamente todo consumido ao ponto de não conseguirmos nem ver a placa", relata o bombeiro militar.

Carro para vendas era a única renda da família
O profissional relata ter na atividade a única fonte de renda para uma família de seis integrantes. O subtenente Roberto Bento afirmou que no momento da ocorrência Revildo estava "chorando muito" e inconsolável. 

“Minhas pernas e mãos eram esse carro. Eu sou verdureiro desde criança. Minha mãe trabalhava com isso e foi a herança que ela me deixou”, diz Revildo. “Eu e minha esposa trabalhamos juntos na banca e sustentamos minha filha e três netos, pois meu filho morreu há um ano e ficamos com as crianças”, complementa.  

O vizinho do feirante, Jackson dos Santos, registrou o momento do incêndio. “Tive a ideia de fazer a vaquinha com outros colegas para tentar ajudá-lo a comprar outro carro”, explica. A meta é arrecadar cerca de R$ 30 mil. Até a tarde desta segunda-feira (7), a família não sabia quanto foi arrecadado.

Doações para Revildo
As doações podem ser feitas por meio do Pix de número 013.352.413-29 (CPF), em nome de Rose Mary Soares de Oliveira.

Diário do Nordeste