Investigação sobre ajuda a Lázaro continua: “Atuava como jagunço e segurança”

Investigação sobre ajuda a Lázaro continua: “Atuava como jagunço e segurança”


“As investigações não acabam aqui. Ainda temos pessoas para investigar e prender. Agora, sai a força intensiva e fica o trabalho investigativo. Vamos até descobrir todos os envolvidos”, disse o secretário de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), Rodney Miranda.

Em entrevista nesta segunda-feira (28/6), após troca de tiros e a morte Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, Rodney Miranda afirmou que o criminoso, tinha uma rede que o acobertava: “Temos informações que ele atuava como jagunço e segurança de algumas pessoas. A questão dele querer fugir, patrocinado, logicamente, mostra que ele tinha uma rede que lhe acobertava. Com gente não interessada na prisão dele.”

“Ele foi encontrado com 4,4 mil no bolso. Mais uma prova de que tem gente acobertando ele é dificultando o trabalho das forças policiais”, completou o secretário. Ele também confirmou que a ex-mulher e a ex-sogra foram ouvidas. “Se ficar constatado que queriam facilitar, vão ser indiciadas e até presas.”

De acordo com Miranda, entre as pessoas interessadas a fuga de Lázaro estaria Elmi Caetano, 74 anos, preso na semana passada por esconder o psicopata na chácara dele, em Girassol (GO). O secretário informou ainda que constam mais de 30 crimes associados ao criminoso no DF, em Goiás e na Bahia.

Metrópoles