Mães que receberam Coronavac têm anticorpos contra Covid-19 no leite quatro meses após vacinação

Mães que receberam Coronavac têm anticorpos contra Covid-19 no leite quatro meses após vacinação


Mães lactantes vacinadas contra a Covid-19 com o imunizante Coronavac tem anticorpos no leite mesmo após quatro meses de receberem a vacina, segundo estudo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Grávidas e puérperas fazem parte do grupo prioritário de vacinação contra Covid-19 no Brasil. A recomendação é que a amamentação não seja interrompida após a vacinação. 

O estudo analisou vinte voluntárias, profissionais de saúde que foram vacinadas, tiveram bebês e doaram amostras do leite. Os pesquisadores do Instituto da Criança analisaram e verificaram a presença dos anticorpos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conforme Magda Carneiro, pediatra da Faculdade de Medicina da USP e coordenadora da pesquisa, os níveis mais altos de células de proteção foram verificados após a mãe receber a segunda dose da vacina. 

"Nós fizemos uma observação ao longo de 4 meses, completados agora, em maio, e metade das mães ainda tinham anticorpos positivos", afirmou Magda. 

Um estudo publicado em abril na revista científica The Journal of the American Medical Association (Jama) também comprova a presença de anticorpos no leite de mães que receberam a vacina da Pfizer.

O leite materno é uma fonte de anticorpos para os bebês, mas ainda não foi definido se as crianças ficaram protegidos de fato contra a doença com a alimentação.

Por outro lado, há casos confirmados de bebês que nasceram com anticorpos contra Covid-19 após a mãe ser vacinada ainda na gravidez. Bahia e Santa Catarina já registraram situações do tipo. 

Diário do Nordeste