Mulher relata susto ao acordar na UTI depois de 35 dias internada com Covid

Mulher relata susto ao acordar na UTI depois de 35 dias internada com Covid


Uma moradora de Itapetininga (SP), de 33 anos, comemorou na terça-feira (1º) sua recuperação da Covid-19 após ficar 35 dias internada, sendo 17 com intubação. Ao G1, Camila de Fátima de Almeida afirmou que chegou a se assustar ao acordar no leito da UTI de um hospital particular de Itapetininga (SP), já que não se lembrava do que havia acontecido. “Só lembro da hora que eu acordei, na UTI mesmo, eu olhei e falei ‘nossa’. Vi a televisão e pensei: 'o que eu estou fazendo nesse lugar?’. Vi meu braço todo roxo, achei que tinha sido acidente comigo”.

Camila foi internada no dia 28 de abril após sintomas graves da doença. E ela não foi a única da família que contraiu Covid e precisou de internação. Primeiro foi o marido, que testou positivo e se recuperou antes que ela fosse internada. Em seguida, a mãe dela, Maria de Lurdes Moraes de Almeida, de 68 anos, também contraiu Covid e precisou de internação no período que Camila já estava intubada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Fui passar no médico, estava tendo calafrios e tinha testado positivo. Fiquei internada no dia 5 de maio. Minha filha tinha sido internada no dia 28 de abril. E eu chorava quando estava internada. Ninguém queria falar nada pra que eu não ficasse nervosa, mas eu estava nervosa sem notícias”, relata a mãe. Lurdes conta ainda que chorou quando teve alta e soube que não encontraria a filha. “Mas me falavam que ela iria reagir, que era pra eu me preparar para recebê-la. A gente tinha muita fé. Com certeza a fé que me deu forças”, completa.

Áudios na recuperação
Camila afirma que durante o período que esteve internada não se lembra de nada, como as mensagens trocadas com o marido, os áudios que ele enviava com as mensagens da filha, de seis anos, e nem mesmo como foi ao hospital. Mas a mãe da paciente conta que ela só reagiu quando começou a ouvir os dois.

“Minha filha ficou 17 dias na UTI. Depois de duas semanas, mais ou menos, pediram para gente começar a mandar áudio pra ela, para ver se ela acordava. Estavam tirando o sedativo dela para ela acordar. Mas só quando ela ouviu a voz do marido e da filha que ela se mexeu no leito. Ela acordou com os áudios da família”, diz Maria de Lurdes.

A família ainda diz que contou com o apoio de todos os grupos de amigos e até desconhecidos. Eles se uniram em oração pela recuperação de Camila em terços e novenas. “Eu estou bem, graças a Deus, não tem o que falar. Os médicos me disseram que foi praticamente um milagre. Minhas pernas, meus braços, por enquanto eu não consigo mexer ainda direito, não tenho força, mas estou fazendo os exercícios que me passaram”, relata Camila.

Portal G1