Mulher trans tem braço amputado após ter corpo queimado em tentativa de homicídio

Mulher trans tem braço amputado após ter corpo queimado em tentativa de homicídio


Uma mulher trans teve parte do corpo queimado por um adolescente em uma tentativa de homicídio na última quinta-feira, 24, no Recife, Pernambuco. Nesse sábado, 26, precisou ter o braço amputado durante cirurgia. De acordo com o Hospital da Restauração, onde a mulher de 33 anos está internada, a amputação foi necessária devido à gravidade dos ferimentos. A instituição também informou em nota que a paciente, identificada apenas como Roberta, “permanece sob cuidados médicos e em estado grave”.

O Hospital também informou que Roberta permanece intubada, respirando com ajuda de ventilador mecânico. A intubação foi realizada no sábado, 26, após a paciente apresentar pressão arterial instável. Na última sexta, a codeputada Robeyoncé Lima, do mandato coletivo Juntas (PSOL), foi ao hospital para conversar com a vítima. A parlamentar destacou que Roberta acredita que foi vítima de LGBTfobia. As informações são do portal G1.

O crime
A tentativa de homicídio ocorreu na última quinta-feira, 24, próximo ao Terminal de Ônibus do Cais de Santa Rita, no Recife. No dia, policiais militares passavam pela região quando foram acionados pela população e encontraram a vítima com o corpo em chamas. Roberta foi socorrida e encaminhada ao Hospital da Restauração. A unidade de saúde informou que a vítima teve 40% do corpo queimado.

Conforme o portal G1, o boletim de ocorrência do caso informa que testemunhas do crime disseram à Polícia Militar que um adolescente estava com a mulher trans, que é moradora de rua, em um barraco de lona e ateou fogo no corpo dela. Em seguida, ele tentou fugir, mas foi apreendido por policiais militares.

O adolescente foi autuado em flagrante por "ato infracional análogo a homicídio doloso tentado", segundo a Polícia Civil. O caso foi registrado na 7ª Delegacia de Plantão da Criança e do Adolescente, no Recife. Segundo o delegado José Renato, o adolescente foi levado para a Unidade de Atendimento Inicial (Uniai) da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase).

O Povo Online