Quadra chuvosa em Santa Quitéria em 2021 fica abaixo da média

Quadra chuvosa em Santa Quitéria em 2021 fica abaixo da média


O início do mês de junho encerra a quadra chuvosa no Estado do Ceará, que tem início em fevereiro e chega ao fim no último dia de maio e novamente, abaixo da média. O cenário de chuvas reduzidas e irregulares já era esperado pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Em Santa Quitéria, de fevereiro a maio, o acumulado foi de 722,9 mm, dentro da normalidade (esperada 686,4).

  • Trapiá - 722,9 mm (dentro da normalidade; esperado era de 686,4 mm)
  • Raimundo Martins - 472,7 mm (9% abaixo da média; esperado era de 519,9 mm)
  • Lisieux - 453,4 mm
  • Sede - 448,7 mm (40% abaixo da média; esperado era de 754,7 mm)
  • Macaraú - 442 mm
  • Fazenda Não Me Deixe - 402 mm
  • Santa Rita dos Galdinos - 277,2 mm (45% abaixo da média; esperado era de 508,1 mm)
  • Saco do Belém - 220,5 mm (6% abaixo da média; esperado era de 236,5 mm)

"Isso o coloca abaixo da média, mas muito próximo da normalidade e com intensa variabilidade", destacou Eduardo Martins, presidente da Funceme, em coletiva nesta quarta (02). Segundo ele, os eventos chuvosos foram bastante beneficiados pela Zona de convergência intertropical, a ZCIT, fenômeno de comum aparição na quadra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A quadra chuvosa aquém do esperado não influenciou no cenário hídrico de Santa Quitéria. O açude Edson Queiroz está com 59,6% da capacidade máxima. Em 2020, na mesma época, estava com 80,95% de reserva. 

Na segunda-feira (31), o prefeito Braguinha (PSB) assinou decreto reconhecendo situação de emergência no município por conta dos baixos índices pluviométricos, com o objetivo de estabelecer uma situação jurídica especial junto à Defesa Civil e governos estadual/federal para a execução de ações de assistência à população.

A partir deste mês, o Ceará entra na "época dos ventos" e segue até julho. O período é marcado pelo afastamento da ZCIT e as chuvas começarão agora para as regiões de Pernambuco, Alagoas e Sergipe. Isso não significa que o Ceará não terá chuvas a partir de então, mas o intervalo não será mais tão favorável para que os índices da quadra chuvosa se repitam, por exemplo.