Economia vem sendo motivação para a rápida adesão da energia solar em Santa Quitéria

Economia vem sendo motivação para a rápida adesão da energia solar em Santa Quitéria


Com o evento do avanço tecnológico, diversas mudanças vêm ocorrendo na sociedade, seja na forma de pedir comida ou no consumo de energia. Mesmo sendo considerada nova, a energia solar vem ganhando adeptos rapidamente no Estado do Ceará. Além de tornar-se mais barata para algumas residências, a energia solar causa um impacto ambiental mais baixo se comparada com as tradicionais hidrelétricas e termoelétricas.

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o estado do Ceará ocupa a 9ª posição no ranking da geração distribuída no Brasil e possui 13,6 mil conexões espalhadas por 181 cidades do estado, que abastecem cerca de 17,4 mil consumidores. Santa Quitéria está entre esses munícipios.

Segundo a fundadora da GP Energia Solar Caroline Andrade, foi apenas em 2012 que o "boom" do consumo de geração distribuída aconteceu. Foi a partir desse ano que as pessoas passaram a ter conhecimento a cerca dessa forma de geração de energia e os custos para instalação e funcionamento.

Para Caroline, a economia é o principal motivo para as pessoas estarem aderindo a esse novo modelo de geração de energia, segundo ela "as pessoas fazem um projeto não somente com os kilowatts (hw) que elas consomem atualmente, porque é uma coisa que está economizando por conta das tarifas. Então o principal motivo da adesão é a economia e a autonomia de expansão".

Em Santa Quitéria, as residências ainda são maioria entre os locais que possuem placas solares e geram sua própria energia. Entretanto, mesmo possuindo sua fonte energética, os consumidores desse tipo de energia ainda precisam pagar algumas taxas. Segundo o fundador da Volts Soluções Energéticas Erinaldo Loiola, "vai ter desconto na conta da luz, ele vai gerar o próprio consumo, mas a taxa de iluminação pública e a disponibilidade do relógio ele paga para a Enel", explica.

As placas solares possuem uma vida útil de até 30 anos e as manutenções precisam ser feitas anualmente. O uso da energia solar gera impactos positivos no meio ambiente, o que se torna um dos motivos para a adesão desse tipo de geração fotovoltaica (energia gerada a partir do calor da luz solar).

Impacto da energia solar no meio ambiente
A geração elétrica através da energia solar fotovoltaica causa baixos impactos negativos no meio ambiente. As placas solares geram energia elétrica sem a emissão gases de efeito estufa (GEE) o que é um ponto positivo para esse tipo de geração distribuída. Além do baixo impacto ambiental, a energia solar pode trazer uma economia de até 95% na conta de luz de seus consumidores.

Energia solar no Brasil
A energia solar só representa 2% de toda a energia gerada em território brasileiro, mas vem ganhando adeptos rapidamente e os números de locais com placas solares vem crescendo. As residências ainda são maioria entre os locais que possuem esse tipo de geração de energia. Sendo um país com extenso espaço territorial o Brasil é um país que possui uma grande capacidade de geração de Energia Solar Fotovoltaica, isso se dá também pelo grande potencial energético a partir da energia solar.