Ministério Público cumpre mandados contra policiais suspeitos de extorsão, tortura e outros crimes

Ministério Público cumpre mandados contra policiais suspeitos de extorsão, tortura e outros crimes


Na quarta fase da Operação Gênesis, o Ministério Público do Ceará cumpre, na manha desta terça-feira, 20, 12 mandados de busca e apreensão, sete de condução coercitiva e um mandado de prisão contra policiais do Ceará. Eles são suspeitos de praticar crimes como  extorsão, tortura, comércio ilegal de arma de fogo, corrupção ativa, além de organização criminosa.

Nessa fase, os  12 mandados de busca e apreensão são para cada um dos alvos da operação, sete mandados de condução coercitiva (para os policiais), um mandado de prisão contra o policial militar apontado como líder do grupo, além de medidas cautelares de afastamento das funções de todos os outros seis policiais. Entre os alvos, estão sete policiais militares da ativa, um policial civil da ativa e quatro integrantes que atuariam como informantes da organização criminosa.

Dos mandados judiciais expedidos, cinco são da Vara de Delitos de Organizações Criminosas e sete da Vara Única de Auditoria Militar do Ceará. As ordens estão sendo cumpridas com o apoio da Coordenadoria de Planejamento Operacional (Copol) da SSPDS, da Polícia Militar do Ceará e da Coordenadoria de Inteligência (Coin) da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) nos municípios de Aquiraz, Fortaleza, Itaitinga e Pacatuba, no Ceará, e em Itabaiana, na Paraíba.

Investigação
Durante as investigações, foram verificados crimes por parte de pessoas que se vinculavam a policiais e se estruturavam para realizá-los em um complexa teia de corrupção envolvendo agentes públicos de segurança. Segundo o MPCE, a organização criminosa praticava crimes de extorsão e tortura contra traficantes com o objetivo de obter vantagens financeiras.

Os alvos dos policiais eram escolhidos entre traficantes com considerável poder aquisitivo ou que já tinham alguma passagem pela Polícia, o que facilitava as exigências, as abordagens e o alcance das vantagens pelo grupo. Os agentes públicos tinham acesso ao sistema de informações da Polícia para selecionar os criminosos e planejar as ações.

O grupo funcionava da seguinte forma: informantes trabalhavam na procura e no levantamento de situações potencialmente lucrativas para o bando, que consistiam principalmente na seleção de vítimas com envolvimento em crimes e com alto poder aquisitivo.

Os informantes, então, avisavam ao policial militar líder da organização, que passava a orientá-los sobre os detalhes que precisaria para a ação. As orientações incluíam veículos usados, rotina e principais endereços das vítimas. Ao mesmo tempo, ele selecionava e convidava, a depender do caso, os demais comparsas para a execução.

O Povo Online