Muro de fábrica desaba sobre casas e deixa feridos, no Ceará

Muro de fábrica desaba sobre casas e deixa feridos, no Ceará


O muro de uma fábrica desativada, localizada próximo à avenida Emília Goncalves, no bairro Quintino Cunha, em Fortaleza, desabou sobre quatro casas no início da tarde desta segunda-feira, 5. Conforme o Corpo de Bombeiros Militar do Ceará (CBMCE), o incidente deixou três pessoas feridas, todas integrantes da mesma família. Não houve mortes. No total, 16 residências foram interditadas após vistoria da Defesa Civil.

Entre as vítimas estão um homem de 51 anos e seus dois filhos, com 14 e 20 anos. O senhor teve algumas escoriações, mas estava consciente e recebeu atendimento. Ele não aceitou ser levado a um hospital. Já seus filhos foram levados ao Instituto Doutor José Frota (IJF).

Segundo o tenente-coronel Giuliano Rocha, comandante da operação, os agentes foram chamados para a ocorrência por volta de meio-dia. Ao chegarem ao local, as duas vitimas mais jovens já haviam sido retiradas dos escombros por populares e encaminhadas a uma instituição médica.

O homem de 51 anos foi atendido, e as demais famílias foram afastadas do local, em um procedimento de segurança. Agentes acionaram a Defesa Civil do Município para fazer uma análise minuciosa das estruturas e descobrir mais informações acerca do motivo do incidente. O CBMCE não divulgou informações sobre as atividades realizadas na fábrica antigamente ou a quem o equipamento pertencia.

Em nota, a Defesa Civil de Fortaleza informou que 16 residências foram interditadas após o incidente, mas apenas oito famílias concordaram em desocupar os imóveis e serão beneficiadas com Aluguel Social e materiais assistenciais, como cesta básica, colchonetes e cobertores. Nesta terça-feira, 6, o órgão voltará ao local para tentar sensibilizar novamente as famílias que insistem em permanecer nos imóveis interditados. Em casos de riscos, a Defesa Civil deve ser acionada via Ciops, através do telefone 190. Os agentes trabalham em regime de plantão, 24 horas, para atender possíveis urgências.

O Povo Online