Pamella Holanda diz que DJ Ivis a agrediu por amamentar a filha enquanto estava com Covid

Pamella Holanda diz que DJ Ivis a agrediu por amamentar a filha enquanto estava com Covid


A ex-mulher do DJ Ivis, Pamella Holanda, afirmou nesta terça-feira (13), em entrevista ao "Encontro com Fátima Bernardes", que foi agredida pelo músico porque amamentou a filha quando estava diagnosticada com Covid-19. Pamella afirmou que foi orientada por seus médicos a seguir amamentando a criança, mas o cantor era contra.

"A Mel tinha quase um mês. Naquela ocasião eu estava com Covid, e todos os médicos me aconselhavam a amamentar. Ele não queria. [Ele queria] que eu não amamentasse porque disse que eu ia passar Covid", disse Pamella.

Especialistas ouvidos pelo G1 afirmaram que não há evidência de que o leite materno transmita o vírus da Covid. Mulheres com suspeita ou confirmação podem manter a amamentação, desde que sigam as recomendação de higiene e dos seus médicos (leia perguntas e respostas sobre o tema aqui).

Pamella também revelou no "Encontro" que as agressões começaram quando estava grávida e que não havia denunciado antes por medo.

No último domingo (11), Pamella divulgou imagens de câmeras de segurança da casa que mostram as agressões cometidas pelo ex-marido. A mãe de Pamella aparece ao lado dela algumas vezes. "Essa mulher [que aparece no vídeo] é a minha mãe, e ela não esboça nenhuma reação porque ela tinha medo. Eu nunca contei pra ela [sobre as agressões], ela chegou a saber presenciando."

"Ele [DJ Ivis] estava saindo de casa e é exatamente no momento em que estava no quarto amentando a Mel. Aí ele vem e me agride com a camisa. Eu insisto em amamentar a neném, por isso que eu vou, esboço ir, tiro ela do carrinho e na hora que ele vem vestido a roupa. E vai agredir puxando meu cabelo", detalhou.

De acordo com Pamella, em um dos vídeos, gravado por uma câmera na sala da casa, Ivis a agride com uma blusa pouco antes de sair de casa.

"Era exatamente o momento que eu saí do quarto para poder amamentar a Mel. Aí ele vem me agride com a camisa, eu insisto em amamentar a neném, por isso que eu vou (...), e tiro ela do carrinho, para colocar ela no meu colo. É a hora que ele já tem vestido a roupa e já me agride puxando meu cabelo."

Medo e dependência financeira
No "Encontro", Pamella afirmou que sofria agressões desde que estava grávida. Ela disse que não havia denunciado o caso antes porque tinha medo das reações que o DJ Ivis poderia ter e por dependência financeira.

Ela também disse que, antes de divulgar os vídeos, tentou "justificar" as agressões para si mesma pensando que aquilo fazia parte do temperamento dele. "Eu tentava, pra mim mesma, justificar que ele fazia aquilo por causa do temperamento dele. Eu mesma queria justificar", disse Pamella no "Encontro com Fátima".

Outro fator que a desencorajava a denunciar o ex-marido, segundo o relatado por Pamella no programa, era a reação machista e a dificuldade em provar o caso. Após obter as provas por meio das filmagens, ela publicou o caso nas redes sociais.

"Eu tinha medo que eu fosse desacreditada pelo fato de ele ser conhecido, pelo fato de ele ter influência. Enfim, nós vivemos em um país machista. Nós mulheres somos criadas nessa cultura machista. E por a gente quase nunca ter voz, precisar gritar e esbravejar pra poder ser ouvida, eu pensei: 'eu tenho que provar que isso acontece, que ele faz isso comigo'. Se fosse só minha palavra contra a dele, eu ia viver tentando provar."

Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Ceará, Pamella registrou ocorrência de lesão corporal no âmbito da violência doméstica em 3 de junho, no Eusébio, município da Região Metropolitana de Fortaleza.

A Polícia Civil solicitou ao Poder Judiciário medidas protetivas de urgência em favor de Pamella.

G1