Procon quer proibir pagamento de delivery na entrega após golpes crescerem

Procon quer proibir pagamento de delivery na entrega após golpes crescerem


O Procon estuda medidas para que as empresas responsáveis pelos aplicativos de delivery estabeleçam que os pagamentos sejam feitos apenas de forma online – cobranças no ato da entrega ficariam proibidas. A medida visa inibir os golpes aplicados pelos entregadores, conhecido como “golpe da maquininha”.

Segundo o Procon-SP,  foi registrado um aumento de mais de 136% nas reclamações sobre golpes aplicados por entregadores de apps de comida. De janeiro a julho deste ano, foram registrados 341 atendimentos contra as empresas Ifood, Rappi e Uber Eats. Os valores reclamados pelos consumidores ultrapassam 1,3 milhão de reais.

Os consumidores reclamam que os valores debitados no cartão são superiores ao preço correto e que só percebem o golpe após a entrega ter sido feita e o pagamento ter sido efetivado. Questionam ainda que, apesar de reclamarem com a empresa responsável, não conseguem reaver os valores.

“Diante da explosão de golpes aplicados na entrega de mercadorias por delivery, o Procon-SP estuda medidas para que as empresas proíbam qualquer tipo de cobrança por cartão no ato da entrega”, afirma Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP. 

Ele acrescenta ainda que como medida de prevenção, o Procon-SP já vem orientando os consumidores a efetuarem os pagamentos de forma online e nunca no momento da entrega, de modo que o contato entre cliente e entregador seja exclusivamente para receber a mercadoria.

Exame