Cantor Sérgio Reis chama para ato de caminhoneiros a favor de Bolsonaro e categoria nega

Cantor Sérgio Reis chama para ato de caminhoneiros a favor de Bolsonaro e categoria nega


Circula nas redes sociais vídeo do cantor sertanejo Sérgio Reis organizando uma manifestação em parceira com caminhoneiros a favor do presidente Bolsonaro (sem partido). O ex-deputado federal afirma que houve uma reunião com representantes da categoria dos caminhoneiros e agricultores e o movimento deve acontecer nos três dias antes do feriado de 7 de setembro. As entidades que representam os caminhoneiros negam apoio ao ato e afirmam que não devem participar. 

“Vamos fazer um movimento clássico, sem agressões. Queremos dar um jeito de movimentar esse País e salvar o nosso povo. Estamos organizando talvez [para os dias] 4 a 6 de setembro. Dia 7 de setembro não queremos fazer nada para não atrapalhar o desfile do nosso presidente, que é muito importante”, afirmou no vídeo.

Ele explica que os manifestantes devem ficar acampados e devem ser distribuídos alimentos para quem estiver no movimento. Ele afirma estar preparado judicialmente, sem explicar mais detalhes. A paralisação terá foco em Brasília, mas deve alcançar outros estados brasileiros.

“Nós estamos nos preparando judicialmente para fazer uma coisa séria, para que o governo tome uma posição e o Exército tome uma posição”, afirmou o cantor. Reis afirmou ainda que o movimento deve reunir diversos outros artistas, além de "grandes empresários do Brasil".

Em outro vídeo publicado nas redes, Reis aparece afirmando que haverá uma paralisação geral de 72 horas e que outros tipos de transporte serão impedidos de transitar. “O Brasil inteiro vai estar parado. Ninguém trafega, ninguém sai", disse o cantor. No vídeo, o cantor deixa uma ameaça para os caminhoneiros que não participarem do movimento: "Não tem conversa, ai do caminhoneiros que furar esse bloqueio".

“O Brasil inteiro vai estar parado. Ninguém trafega, ninguém sai. Ônibus volta para trás com passageiros. Só vai passar Polícia Federal, ambulância, bombeiro e cargas perecíveis. Fora isso, ninguém anda no Brasil”, disse o cantor em outro registro das redes sociais.

Caminhoneiros desconhecem movimento
Diversas entidades que representam os caminhoneiros afirmaram não apoiar o movimento e ressaltaram que não devem estar presentes na manifestação. "A gente desconhece as pessoas que estão ao lado dele", disse Plinio Dias, presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Carga (CNTRC) ao colunista do UOL, Chico Alves. "Sérgio Reis não representa nem os artistas, quanto mais os caminhoneiros", acrescentou.

Wallace Landim, o Chorão, presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), também se manifestou contra o ato. Segundo ele, o setor deve se organizar pela luta de suas demandas e não com "pauta política". Em 2018, ele foi referência da greve dos caminhoneiros.

"Nem a favor de governo, nem contra governo. Ser a favor de STF (Supremo Tribunal Federal), ser contra o STF. Quem tem que fazer isso é a população, não usarem o nome da categoria. Nós não participamos disso", ressaltou ele. Chorão pediu ainda que os caminhoneiros não depositem dinheiro na conta dos organizadores. “Não deposite dinheiro na conta de malandro! Tem muita gente aí pedindo dinheiro pra fazer manifestação no dia sete de setembro. Não faça isso, não faça isso”, afirmou em vídeo.

O POVO