Confira detalhes do crime passional entre policial militar e namorada em Itatira

Confira detalhes do crime passional entre policial militar e namorada em Itatira


O delegado regional de Canindé, Daniel Aragão, revelou detalhes sobre o crime passional que chocou moradores da pequena cidade de Itatira no último domingo (22), quando o policial militar José Edilane Ferreira foi morto com a sua própria arma e uma tentativa de suicídio por parte da autora, no caso a namorada Maria Amanda Sousa Alves.

Quando o corpo chegou ao núcleo da Perícia Forense, o médico legista desconfiou da tese de suicídio, dada as marcas do tiro, o local, a forma como foi efetuado, bastante contraditório, pois o disparo foi feito na parte superior atrás da cabeça, a longa distância. A Polícia Militar passou a colher informações e chegou ao fato de que o casal havia discutido três dias antes do fato.

Na madrugada de sábado para domingo, em meio a uma bebedeira, Edilane e Amanda tiveram um novo bate boca, inclusive em que ela teria sido agredida com tapas e socos, conforme consta em seu depoimento. Sabendo que ali haviam três armas, ela se apoderou da pistola e ficou no ponto de disparar. Edilane teria zombado dela, de que não tinha coragem e sob efeito alcóolico e no calor das agressões, deu o tiro fatal.

Amanda ainda chegou a atentar contra a própria vida, quando colocou a corda no seu pescoço e pulou do local onde estava, mas a filha de quatro anos entrou no local e viu a cena, ficando desesperada, se arrependeu e ficou aguardando a Polícia. A autora alega também que eram um casal motivado por bastante ciúmes, tendo resultado neste fim trágico.

A acusada responderá por homicídio qualificado por motivo fútil.