Homem que fez campanha para tratamento de câncer deixa carta para família antes de morrer de Covid

Homem que fez campanha para tratamento de câncer deixa carta para família antes de morrer de Covid


Nos últimos momentos de vida, Raphael Melo Voltan deixou registrado o amor que sentia pela família em uma carta que escreveu à mão. Mesmo enfrentando uma batalha contra o câncer, a doença não o impediu de estar ao lado daqueles que amava e ele conseguiu ver o filho completar um ano de vida.

Raphael morreu de Covid-19 aos 31 anos no domingo (22), em Jundiaí (SP). Ele lutava contra o câncer linfoma não-Hodgkin desde abril de 2020, quando foi diagnosticado com a doença durante a gestação da namorada. Neste ano, ele fez campanha para conseguir comprar um medicamento de R$ 360 mil.

Em entrevista, a namorada dele, Estela Mastellari, de 35 anos, contou que Raphael apresentou uma piora no estado de saúde e foi internado no dia 29 de julho, com dificuldades para respirar. Ele recebeu alta no Dia dos Pais, mas testou positivo para a Covid-19 na mesma semana.

O jovem morava em Campo Limpo Paulista e precisou ser levado ao hospital municipal no dia 11 de agosto após apresentar febre e falta de ar. Em seguida, ele foi transferido para o Hospital São Vicente, porém, não resistiu à doença e morreu no domingo. "Ele não podia ser intubado, com os tumores no peito não seria possível. Ele ficou no isolamento e, infelizmente, a Covid só adiantou as coisas. O pulmão já estava bem debilitado. Ele queria muito viver. É uma dor tremenda."

Apesar de todo o sofrimento durante o tratamento contra o câncer, Estela relata que o namorado buscava estar sempre junto com a família e ser um pai presente para o pequeno Rhavi, que era muito amado por ele. "Ele fazia tudo pelo Rhavi, o amava muito. Era uma pessoa alegre, engraçada. Podia estar fraco, mas fazia questão de estar junto. Amava os amigos e a família. Ele foi muito grato pelo o que fizeram para ele. Graças às pessoas que ajudaram, ele pôde fazer o tratamento. Os pais dele, Dilma e Rubens, sempre estiveram com ele. Ele lutou muito por nós."

Escrita da carta
No dia da morte de Raphael, a família soube da carta que ele havia escrito no período em que ficou isolado com a doença no hospital. A mensagem veio como um pequeno conforto diante da dor e impossibilidade de despedida devido à pandemia. "Amo vocês. Lutei até onde pude. Cuide do Rhavi, eu amo muito ele, todos vocês, fiquem com Deus", escreveu Raphael em uma folha. A carta ficou com a mãe do jovem, Dilma, que permaneceu ao lado dele durante os dias e noites em que ele ficou internado, enquanto Estela cuidava do filho.


Tratamento contra o câncer
O G1 conversou com Raphael quando a campanha para a compra do medicamento que ele precisava foi lançada. Na época, ele contou que a doença havia se espalhado pelo pulmão, pâncreas e rins. Sem convênio médico, todo o tratamento foi feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Já fiz três protocolos de quimioterapia e a doença só vem aumentando. Depois disso, fiz um exame e a doença já tinha aumentado, mesmo fazendo quimioterapia”, explicou.

Foi então que ele foi para uma consulta médica, onde soube que todas as opções disponíveis pelo SUS já haviam sido esgotadas. Através de uma ONG, conheceu o tratamento feito com o remédio “Pembrulizumab”, no valor total de R$ 360 mil. Raphael contou durante o tratamento que o apoio recebido pela família e os amigos era essencial para a luta contra o câncer.

“Eles acompanharam e se preocupavam comigo desde quando descobri. Isso te faz mais forte. Sua família, seus amigos estando ali, sempre querendo seu bem, te mandando mensagem. Meus amigos sempre me deram esperança. Minha mãe, meu pai e familiares sempre ao meu lado, preocupados com isso”, agradeceu.

Portal G1