Idosa descobre que foi vítima de golpe após ver PIX de R$ 24 mil em sua conta

Idosa descobre que foi vítima de golpe após ver PIX de R$ 24 mil em sua conta


Uma idosa de 78 anos descobriu que foi vítima de um golpe após receber orientações por telefone de uma suposta funcionária de banco em Santos, no litoral paulista. A professora aposentada descobriu o que aconteceu após ver que havia um PIX no valor de R$ 24 mil em seu nome. Em seguida, viu que havia empréstimos, limite do cartão estourado e cheque especial feitos em seu nome, o que fez com que ela denunciasse o caso à Polícia Civil.

"Estou inconformada. Tenho 78 anos, nessa idade, uso computador, vou ao banco sozinha, foi um grande progresso. Mas não tenho, evidentemente, o mesmo raciocínio que tem um jovem. Nunca caí em um golpe, mas esse foi muito bem elaborado", disse Inazeli Azevedo Nóbrega e Silva.

O golpe teve início no fim de julho, quando uma suposta funcionária do banco do qual a idosa é cliente entrou em contato com o filho dela, informando que haviam tentado acessar a conta da aposentada. A mulher sabia que ele poderia fazer procedimentos de segurança e mudar a senha, mas o filho preferiu informar a mãe sobre o caso, já que não reside na mesma cidade. Pouco depois, a idosa recebeu a ligação da mulher que se apresentava como funcionária.

Durante a chamada, ela informou que tentaram entrar na conta da idosa indevidamente, e que seria necessário trocar de senha. Orientada pela mulher, a aposentada foi até um caixa eletrônico para fazer a mudança de senha, entretanto, não foi possível. No dia seguinte, Inazeli foi até uma agência bancária e explicou tudo que ocorreu para uma atendente, que achou estranho, segundo conta a idosa.

Mesmo assim, a funcionária procurou no sistema e viu que, de fato, haviam tentado entrar na conta no dia 17 de julho. A idosa, se precavendo, mudou as senhas e registrou a biometria, como orientado pela mulher que conversou com ela ao telefone. Assim que saiu da agência, ela voltou a receber a ligação da suposta funcionária.

"Ela disse 'você não fez o módulo de segurança, tem que fazer, porque a conta continua vulnerável'", explicou. A idosa voltou à agência e seguiu as orientações dadas por telefone sobre quais botões apertar e o que fazer no caixa para ativar o que seria o módulo de segurança. Ela passou por diversos equipamentos, já que ela pedia constantemente para mudar de caixa. Após alguns minutos, a mulher disse que estava tudo certo, e que, finalmente, o módulo havia sido acionado.

Ao sair do banco, ela passou em uma farmácia e viu que não conseguia efetuar o pagamento no débito nem no crédito. Voltando para casa e abrindo o aplicativo do banco, viu uma transferência via PIX em seu nome, no valor de R$ 24.700. Também descobriu que haviam usado o cheque especial, empréstimos e todo o limite do cartão.

"Como ainda não recebi a fatura do cartão, e só os títulos davam mais de R$ 6 mil, acredito que o prejuízo esteja entre R$ 55 mil e R$ 60 mil", relata. Ela acha que as orientações dadas pela suposta funcionária por telefone eram, na verdade, uma maneira de permitir acesso a diversas ações em sua conta. Inazeli fez um pedido de contestação, que foi negado pelo banco. Ela recorreu novamente, e aguarda um posicionamento, para saber como prosseguir diante da situação. Para dar prosseguimento, ela registrou um boletim de ocorrência no 3º Distrito Policial de Santos como estelionato, e o caso será investigado. Entretanto, mesmo tomando todas as medidas, o medo e a frustração são constantes.

Portal G1