Vice-prefeita Lígia Protásio destaca projetos em defesa da mulher em Santa Quitéria

Vice-prefeita Lígia Protásio destaca projetos em defesa da mulher em Santa Quitéria


A menstruação faz parte da rotina mensal da maioria das mulheres, mas o que poucos conhecem é que existem diversas mulheres que não possuem fácil acesso aos itens básicos usados nesse período. A pobreza menstrual é algo que vem sendo discutido nos últimos meses por diversos governantes de municípios brasileiros que veem buscando uma forma de ajudar essas mulheres.

O primeiro projeto de combate à pobreza menstrual é de autoria da deputada federal Lara Germano (PT/RJ), já em Santa Quitéria o projeto foi apresentado através do Poder Executivo na primeira sessão presencial da Câmara de Vereadores no segundo semestre de 2021, ocorrida no dia 06 de agosto.

Segundo a vice-prefeita de Santa Quitéria, Dra. Lígia Protásio, inicialmente o projeto visava apenas as jovens de baixa renda estudantes do ensino público, entretanto o projeto tornou-se mais amplo, alcançando famílias em vulnerabilidade social, mulheres cis e homens trans, e assim diminuindo as chances dessas pessoas de desenvolverem alguma doença pelo não uso de absorventes adequados.

Para a vice-prefeita, esse projeto é muito importante e irá valorizar as mulheres que estão precisando de auxílio financeiro. “A gente sabe que hoje, por conta da pandemia muitas [mulheres] perderam o emprego, outras estão em estado de pobreza extrema, sem casa pra morar, sem alimento. Então elas já vão fazer uma certa economia em relação a isso, algumas já fazem, deixam de comprar absorvente por que não ter dinheiro, e acabam usando qualquer outra coisa”, afirma ela.

A pobreza menstrual é também um dos motivos da evasão escolar por parte das mulheres, devido a falta de absorventes, meninas e mulheres preferem permanecer em casa durante o período menstrual, o que consequentemente interfere no seu desenvolvimento escolar. De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), uma a cada dez meninas no mundo falta às aulas durante o período menstrual, já no Brasil, o número é ainda mais alarmante, uma a cada quatro garotas deixam de ir à escola durante esse período.

Além desse projeto, a vice-prefeita frisou que outros projetos a favor das mulheres quiterienses estão em andamento, como o projeto da sala lilás, que auxiliará mulheres em situação de violência doméstica. A sala funcionará na Secretaria de Segurança Pública do município e contará com profissionais capacitados para atender essas mulheres. Dra. Lígia Protásio ainda destacou a inauguração da clínica especializada nas necessidades das mulheres, como exames de rotina e pré-natal, que ocorrerá em breve em Santa Quitéria.