Acusada de encomendar assassinato do marido disse que casal tinha pacto de morte em caso de traição


A prisão preventiva de Ana Claudia Flor, acusada de encomendar o assassinato do marido, o empresário Toni da Silva Flor, de 38 anos, baleado no dia 11 de agosto de 2020, em frente a uma academia de Cuiabá, foi decretada, nesta quarta-feira (08/09). As informações são do Olhar Direto.

De acordo com uma testemunha, que foi ouvida pelo delegado Marcel Oliveira, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), afirmou que Ana Cláudia Flor, teria revelado que o casal tinha um pacto de morte, em caso de traição. Eles, inclusive, teriam pensado em registrar o ‘acordo’ em cartório.

Ainda segundo o depoimento da testemunha, a intenção de se separar ficou ainda mais intensa após Toni Flor conhecer outra mulher, com quem mantinha um relacionamento extraconjugal. 

Segundo a testemunha, Ana Cláudia teria contado sobre o pacto uma vez antes do homicídio e vários outras após.

Inconformada com a separação e querendo ficar com todos os bens do empresário, Ana então começou a bolar um plano para matar o marido. Para tanto, pediu ajuda a sua manicure, Ediane Aparecida da Cruz Silva, que auxiliou na procura por um “matador”.
Postagem Anterior Próxima Postagem