Auxílio Brasil: o que ainda falta para benefício ser ou não aprovado

Auxílio Brasil: o que ainda falta para benefício ser ou não aprovado

A menos de três meses para o fim do ano, o Governo Federal corre contra o tempo para aprovar o chamado Auxílio Brasil - o plano é substituir o Bolsa Família por esse projeto ampliando o valor do benefício para R$ 300. A urgência - vide que, em 2022, será impossível fazer a mudança devido ao ano eleitoral - é observada também na busca por uma fonte de recursos para custear o aumento prometido.

Sob o risco de romper o teto de gastos, o Ministério da Economia se desdobra para encontrar uma opção de custeio do novo programa. Afinal, o Auxílio Brasil entra como aposta eleitoral para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em 2022. No entanto, o temor de economistas é de que sem o novo projeto, o Auxílio Emergencial seja esquecido definitivamente pelo Governo ou sofra uma interrupção como entre o fim de 2020 e o início de 2021, quando os milhões de pessoas ainda apenados pela pandemia de Covid-19 e que dependem do recurso ficaram desamparados.

"Para esse cidadão, a situação é extremamente preocupante. A economia está iniciando o processo de retomada, mas a gente sabe que a última coisa que volta é o emprego. Ainda mais para esse perfil de população de baixa qualificação, baixa escolaridade e mais vulnerável, o público do Auxílio Emergencial", observa João Mário de França, diretor geral do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece).

Uma renovação do Auxílio Emergencial já é cogitada entre os especialistas e ventilada nos bastidores de Brasília, uma vez que os danos causados pela pandemia ainda não cessaram no País. Líderes partidários descrentes com a aprovação do Auxílio Brasil, inclusive, cogitam a possibilidade de uso da cláusula de calamidade pública.

OPOVO