Caso Hidrolândia: policiais militares se tornam réus na Justiça

Caso Hidrolândia: policiais militares se tornam réus na Justiça


A Justiça acolheu denúncia ofertada pelo Ministério Público do Estado do Ceará contra os policiais militares José Ferreira da Silva Filho e Jonas Ferreira Soares. Os soldados acusados de balear dois jovens e uma criança na cidade de Hidrolândia, na noite de 09 de julho deste ano, agora são réus no Judiciário pelo crime de lesão gravíssima.

Para a Promotoria de Justiça Militar e Controle Externo da Atividade Policial Militar, os agentes tiveram a intenção de lesionar os ocupantes do veículo quando dispararam com suas armas de fogo diversas vezes em direção ao automóvel,  "uma vez que possuíam a vontade de, em comunhão de desígnios e de esforços, cometer aqueles crimes".

A denúncia foi remetida ao Poder Judiciário no último dia 8 de outubro e acolhida 10 dias depois. O magistrado da Auditoria Militar do Estado do Ceará considerou que a peça engloba os requisitos básicos e determinou que a defesa dos denunciados apresentasse defesa, por escrito.

De acordo com a acusação, as vítimas alvejadas no bairro Nova Hidrolândia, têm 21, 22 e 10 anos de idade. No entanto, a família considera que há pelo menos cinco vítimas, duas que não foram consideradas pelo MPCE. Uma destas se trata de uma mulher grávida, também ocupante do veículo.

Conforme os laudos, as vítimas baleadas sofreram lesões, como: perda total de um olho, lesão grave em uma das pernas, debilidade da função mastigatória de forma definitiva, lesão na altura da lombar e perfuração em um dos joelhos. Elas foram socorridas e passaram por diversas cirurgias. A família considera a apresentação da denúncia como um avanço no caso, mas acredita que o fato não se tratou de uma lesão corporal, e sim tentativa de homicídio contra cinco pessoas.

As investigações apontaram contradições nos depoimentos prestados pelos denunciados. Em um primeiro momento, José Ferreira teria dito que efetuou um disparo para o alto, mas depois relatou ter disparado duas vezes. No entanto, nos autos foi informado que o soldado José Ferreira da Silva Filho efetuou seis disparos com sua arma de fogo acautelada, enquanto o soldado Jonas Ferreira Soares efetuou sete disparos. Ambos os militares permanecem soltos e afastados das funções.