'Melzinho do amor' esconde remédios para disfunção erétil e pode causar reação grave, alerta análise da Unicamp

'Melzinho do amor' esconde remédios para disfunção erétil e pode causar reação grave, alerta análise da Unicamp


Uma análise feita pelo Laboratório de Toxicologia Analítica do Centro de Informação e Assistência Toxicológica da Unicamp (CIATox) apontou que o "melzinho do amor", um suposto estimulante sexual, anunciado como 100% natural, e que promete "milagres" após o consumo, pode causar efeitos colaterais graves, e até mesmo risco de morte. Em maio deste ano, a venda do "melzinho do amor" foi proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em todo Brasil.

Os pesquisadores analisaram três amostras. Segundo eles, apesar de as embalagens apontarem uma composição 100% natural, foi detectada a presença de dois fármacos de origem sintética utilizados para tratamento da disfunção erétil: Sildenafila e Tadalafila.

Segundo o coordenador do CIATox, José Luiz Costa, o uso dessas substâncias depende de avaliação médica, sobretudo para pessoas que sofrem de problemas de saúde, como cardiopatias e hipertensão descontrolada.

"A utilização sem prescrição desses fármacos pode provocar efeitos indesejados graves, como o priapismo prolongado (uma ereção longa e dolorosa com risco de necrose do pênis) e lesão irreversível do membro. Para mulheres com problemas de saúde, como cardiopatias, também há riscos", alerta o CIATox.

O “melzinho do amor” é vendido em formato de sachê. Na embalagem, a composição registra substâncias como: café, extrato de caviar, ginseng, maçã, gengibre, canela, mel da Malásia e Tongkat Ali (Eurycoma longifolia). O termo teve seu auge na época da morte de Mc Kevin, que afirmou já ter usado a substância.

G1