Vacinação irregular: Safadão recusa acordo de doação para instituição social como pena

Vacinação irregular: Safadão recusa acordo de doação para instituição social como pena


O cantor Wesley Safadão, a esposa Thyane Dantas e a produtora Sabrina Tavares recusaram um acordo ofertado pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), em audiência realizada nesta quinta-feira, 28, sobre o caso da vacinação irregular contra a Covid-19 do trio. A proposta tratava-se da prestação pecuniária a ser destinada a uma entidade pública ou privada com trabalhos sociais em substituição a um possível processo criminal sobre o caso. O trio e a defesa recusaram o acordo como pagamento da pena.

De acordo com MPCE, devido à recusa, o procedimento seguirá para análise do Grupo de Trabalho. Em nota enviada ao O POVO, o órgão disse: “O Ministério Público do Estado do Ceará informa que, na  manhã desta quinta-feira (28/10), foi realizada audiência com Wesley, Thyane e Sabrina, todos acompanhados por seu advogado, para fins de Acordo de Não Persecução Penal. A proposta oferecida pelo Ministério Público, consistente em prestação pecuniária a ser destinada a entidade pública ou privada com destinação social, não foi aceita pelos investigados e seu advogado. Desse modo, o Procedimento seguirá para análise do Grupo de Trabalho."

O pedido de avaliação de um acordo para substituir o processo criminal, iniciado pelo MPCE, foi solicitado pelo advogado do cantor Wesley Safadão, de Thyane Dantas e da produtora Sabrina Tavares, no dia 14 de outubro. O pedido do advogado foi realizado em resposta a despacho do MPCE - expedido em 30 de setembro - que apontou Marcelo Tchela, amigo do cantor, como ponte entre a equipe do cearense e funcionários do processo de imunização que permitiram a vacinação dos três.

O POVO procurou a assessoria do cantor, por e-mail, para saber o motivo da recusa da proposta do MPCE, e aguarda resposta.

Relembre o caso
Em julho deste ano, o cantor Wesley Safadão, juntamente com sua esposa Thyane Dantas e a produtora Sabrina Tavares tiveram a vacinação contra a Covid-19 realizada de forma irregular. A esposa do cantor foi vacinada fora da época da sua faixa etária. Naquele momento, ela tinha 30 anos, e de acordo com o calendário municipal de vacinação em Fortaleza, as aplicações do imunizante estavam sendo realizadas em pessoas de 32 anos.

No caso de Wesley e Sabrina, eles possuíam agendamento no mesmo dia no Centro de Eventos do Ceará, mas acabaram se locomovendo a um outro posto de vacinação, em um shopping. O estabelecimento estava aplicando a vacina da Janssen, que tem dose única.

Na época, a assessoria de Wesley Safadão declarou que a influenciadora recebeu o imunizante pela estratégia de imunização conhecida como "xepa". "Thyane foi acompanhar o Wesley na vacinação e existe uma coisa que todos têm acesso, não foi benefício dela, que é a dose de sangria", afirma o texto. O prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), rebateu a informação e afirmou que não houve a aplicação de doses remanescentes da vacina contra a Covid-19 antes das 17 horas.

Além disso, três servidores públicos da Secretaria da Saúde do Município (SMS) foram apontados como os responsáveis pela irregularidade na vacinação. Segundo a Polícia Civil, que investigou o caso, os servidores agiram "de maneira voluntária e deliberada, sem qualquer tipo de ciência, autorização ou conivência por parte da SMS de Fortaleza". A apuração foi encerrada no dia 6 de setembro pela Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS).

O Povo Online