Cearense se alimenta do que recebe de doações e do que acha em caminhão de lixo

Cearense se alimenta do que recebe de doações e do que acha em caminhão de lixo

O agravamento da fome no Brasil revela a realidade de homens e mulheres que não têm moradia, comida e nenhuma renda para sobreviver. Cerca de R$ 160 por mês, em 18 dos 27 estados, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Ibre)

Francisco Hélder da Silva, de 43 anos, vive nesta situação. Ele vigia carros próximo a uma das mais movimentadas avenidas de Fortaleza se alimenta apenas com o que recebe de doação, consegue no caminhão de lixo ou consegue comprar com os trocados que recebe de gorjeta. Para ele, a sombra das árvores e as lajes são locais de moradia.

“Minha situação é difícil porque não tenho casa e moro por aqui mesmo na rua. Um dia durmo por aqui perto do hospital; outro dia durmo lá no Centro da cidade. Outra vez ali na Avenida Dom Luiz, no shopping, na calçada. Não tenho onde ficar e vivo vigiando carros. As sombras das árvores e dos prédios são as minhas moradias. Hoje estou aqui na Avenida Santos Dumont e amanhã só Deus sabe”, diz.


G1