Sindicato cobra segurança após casos seguidos de furtos de gasolina em postos do Ceará

Sindicato cobra segurança após casos seguidos de furtos de gasolina em postos do Ceará


Após casos seguidos de furto de gasolina em postos de combustíveis do Ceará, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Ceará (Sindipostos-CE) cobra mais segurança dos órgãos públicos. Na manhã desta quarta-feira (3), o assessor econômico da entidade, Antônio José Justa, falou sobre os casos em entrevista à TV Verdes Mares.

"A gente não tem poder de segurança. Então o que a gente faz é gravar os crimes, fornecer as imagens e cobrar mais segurança. O estado tem a segurança, a polícia faz seu trabalho, mas quando a polícia chega, o crime já tem acontecido", disse Antônio José.

Em outubro, foram registrados pelo menos quatro furtos de gasolina em postos de Fortaleza. O caso mais recente aconteceu na sexta-feira (29), quando um motorista em um carro branco sem placas abasteceu R$ 307 e fugiu sem pagar em um posto do Bairro São João do Tauape, a 50 metros de distância do 4º Distrito Policial.

Apesar dos aumentos seguidos nos preços dos combustíveis, chegando a R$ 7,19 o preço médio do litro de gasolina comum no Estado, o assessor econômico do Sindipostos acredita que os furtos de combustíveis nos postos não estão relacionados com as altas dos preços. “As pessoas de bem estão abastecendo normalmente, pagando o que devem e sendo bem atendidas. As pessoas de mal sempre existiram, a bandidagem não é de hoje e nem de ontem, há vários anos. Vem intensificando no nosso estado com a entrada desses grupos [de facções]", afirma Antônio José.

Em busca de tentar amenizar os furtos de gasolina, os proprietários dos estabelecimentos já adotam algumas medidas de segurança, como relata Antônio José.

"Constantemente a gente conversa no nosso Sindicato com nossos associados para que melhorem seu serviço de vigilância. Muitos estabelecimentos possuem segurança particular, fazendo com que esses fatos diminuam. E contatos com a polícia, nós já cansamos de conversar com o secretário de Segurança, com delegacias, os próprios donos dos postos constantemente falam com policiais, mas é uma prática que a gente pode diminuir, mas jamais acabar. Tem até um detalhe interessante de que a gente fecha a nossa porta contra o ladrão e ele sempre encontra uma brecha", relata.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirma que as Forças de Segurança realizam ações diuturnas para evitar os crimes patrimoniais, com o emprego do policiamento ostensivo e preventivo, bem como com trabalho investigativo, para coibir esse tipo de prática.

G1 CE