Após 107 dias lutando pela vida, morre aos 66 anos o radialista Marculino Neto

Após 107 dias lutando pela vida, morre aos 66 anos o radialista Marculino Neto


Faleceu na noite deste domingo (09), aos 66 anos, o radialista Antônio Marculino Neto. O mesmo estava internado há 107 dias em uma UTI do Hospital São Camilo, em Fortaleza.

Marculino lutou durante este longo período contra uma bactéria no pulmão, bastante resistente ao tratamento que era feito e na última semana, o corpo médico que o acompanhava optou, diante do quadro e em comum acordo com a família, por deixá-lo em cuidados paliativos, vindo a óbito por volta das 19h.

Seu corpo será velado nesta segunda-feira (10), a partir das 07h no Centro de Velório Anjo da Guarda, em Fortaleza e as 16h30, será cremado. Em 1º de outubro passado, falecia o seu filho, João Paulo Farias, de 41 anos, vítima de complicações da Covid-19.

Natural de Iguatu, chegou em Santa Quitéria em 1976 para trabalhar na extinta Coopita, onde foi técnico agrícola e gerente, responsável por receber algodão, milho e mamona. Também foi bancário do extinto BEC em Itapajé e do Banco do Brasil em São Miguel do Tapuio (PI), até 1988 quando regressava para Santa Quitéria para assumir o banco e no trajeto, sofreu um acidente de moto que o deixou paraplégico. 

Além destas atividades, foi agropecuarista, comerciante e integrante de grupos como Rotary Club e Loja Maçônica Quiteriense. Em reconhecimento aos serviços prestados ao município, recebeu o Título de Cidadão Quiteriense em agosto de 2019.

Na política, foi onde Marculino Neto fez um amplo leque de amizades, ao participar das administrações do ex-prefeito Tomás Figueiredo, de quem era um grande amigo e importante conselheiro. Sua outra paixão era o rádio, onde comunicou por muitos anos na rádio Pioneira AM de Forquilha, onde no estúdio de Santa Quitéria, fazia seus comentários direcionados para a cidade.

Casado com Terezinha Farias, deixou três filhos: João Paulo (in memoriam), Ana Paula e Érika Paula.