Com surto de casos em Santa Quitéria, farmácias têm alta demanda para remédios da gripe

Com surto de casos em Santa Quitéria, farmácias têm alta demanda para remédios da gripe


Nas últimas duas semanas, dezenas de pessoas tem procurado diariamente o Hospital Municipal de Santa Quitéria com os mesmos sintomas: febre alta, dor de cabeça, dores articulares, nariz entupido e inflamação de garganta e tosse. O surto da Influenza A H3N2 e outras síndromes gripais preocupa a população, levando a uma alta procura nas farmácias da cidade por medicamentos que impeçam a ação do vírus.

Levantamento feito pelo A Voz de Santa Quitéria junto as drogarias locais indicou que houve um aumento, principalmente neste feriado de Ano Novo, por vitaminas C no objetivo de evitar a contaminação, além de antigripais, azitromicina, expectorante e dipirona.

Sobre a alta de casos, o secretário de saúde Igor Vale foi procurado pela reportagem, mas apesar do alerta, ele preferiu "deixar o assunto para outra ocasião". Até o momento, a Prefeitura Municipal ainda não se posicionou diante deste quadro e de quais medidas deverão ser adotadas neste início de janeiro.

Relaxamento
A explicação dos infectologistas para este surto tão forte agora é que, ao contrário do ano passado, quando as pessoas se protegiam mais por conta da Covid, agora há um relaxamento com relação ao uso de máscaras, distanciamento e também higienização das mãos. Além disso, com foco na vacina contra o coronavírus, muita gente deixou de se imunizar contra a gripe. Há ainda o temor que, com a chegada da quadra chuvosa, os casos se multipliquem ainda mais.

Cuidados
A recomendação atual para quem apresenta sintomas gripais é a de realizar um teste de Covid-19. O tratamento inicial deve ser feito em casa, segundo recomendação da Sesa, e a ida para as emergências hospitalares deve ser destinada para grupos mais vulneráveis, como idosos, crianças, grávidas, puérperas e imunossuprimidos, ou para quem apresenta sintomas mais graves como falta de ar, dor no peito ou cansaço excessivo.

Segundo a secretária Executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, Ricristhi Gonçalves, quadros de contaminação por Influenza costumam apresentar sintomas muito intensos nos dois primeiros dias, mas, até o momento, não existe uma tendência de agravamento desses quadros. "Por receio, as pessoas estão buscando a emergência logo. Só que, quando você chega em um local como esse lotado, você acaba exposto a outras viroses, não recomendamos que as pessoas façam isso", pontua.