Bolsonaro deverá desobrigar uso de máscaras em repartições públicas federais


O presidente Jair Bolsonaro (PL) deve emitir, até esta sexta-feira, 1º de abril, uma portaria que determina a desobrigação do uso de máscaras em repartições públicas no Brasil. O texto do documento está sendo finalizado pelo Ministério da Saúde, editor da medida. A expectativa é que a portaria tenha validade imediata, ou seja, será válida assim que for publicada. 

A informação é da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo. A decisão de desobrigar o uso de máscara vem sendo esperada por Bolsonaro desde 2021. No entanto, a medida vinha sendo adiada a pedido do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. O membro da equipe presidencial defendia não ser a hora de nenhuma flexibilização  devido ao alto número de casos de Covid-19, situação agravada com o aparecimento da variante Omicron.

Em junho do ano passado, o presidente da República alegou ter conversado com o ministro da Saúde para que fosse preparado um parecer desobrigando pessoas vacinadas ou que já tenham sido contaminadas a usarem máscaras. A proteção evita a propagação do novo coronavírus, que é transmitido pelo ar.

"Acabei de conversar com um tal de Queiroga. Não sei se vocês sabem quem é", disse Bolsonaro. "Ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscaras por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados. Para tirar este símbolo segurando uma máscara descartável na mão que tem a sua utilidade para quem está infectado", completou durante evento realizado pelo Ministério do Turismo, em Brasília. Tal parecer, contudo, não foi concretizado. 

Meses depois, a situação agora é de maior calmaria em relação à pandemia. Dados do levantamento do consórcio de veículos de imprensa feito nesta terça-feira, 29, apontam que o Brasil registrou 282 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo apuração junto às secretarias estaduais de Saúde do país. Os números se distanciam bastante do registrado no auge das infecções. 

A pesquisa também revela que a média móvel de mortes nos últimos sete dias é de 217 por dia. O padrão é o mais baixo mais desde 19 de janeiro de 2022, o que simboliza um recuo de 37% em relação aos óbitos registrados em 14 dias.

A redução de casos e internações por Covid-19, após o surto de contaminações pela variante Ômicron entre janeiro e fevereiro, leva estados brasileiros a retirara obrigação de uso de máscara de proteção contra o coronavírus. O avanço da vacinação é outro fator apontado pelos gestores em suas decisões.

No dia 21 de fevereiro, por exemplo, o Ceará retirou obrigatoriedade de máscaras em locais abertos. O governador Camilo Santana (PT), no entanto, frisou que o uso de máscara continua obrigatório em locais fechados e no transporte público. Ele disse ainda que, no caso de pessoas dos grupos de risco, o uso continua recomendado.
O povo
Postagem Anterior Próxima Postagem