Crianças são deixadas no Ceará e em Pernambuco após viajarem sozinhos em ônibus clandestino


A Polícia Civil investiga o caso de duas crianças, de 10 e dois anos, que viajaram sozinhas, sem nenhum responsável, em um ônibus clandestino que partiu do estado de São Paulo. Uma delas foi entregue a parentes em Juazeiro do Norte, no interior do Ceará, e a outra foi deixada em Exu (PE).

Segundo familiares, a mãe embarcou os filhos no ônibus. A criança de dois anos, uma menina, foi deixada com os avós paternos em Exu. Já o menino, irmão dela por parte de mãe, foi entregue aos avós paternos em Juazeiro do Norte. O menino disse que a viagem durou três dias e que a irmã, por ser pequena, chorava o tempo inteiro querendo a mãe. O menino também disse que ambos sentiram fome.

A avó do garoto conta que estava no comércio dela, já que a casa onde mora está em reforma. Ela recebeu a ligação de uma vizinha, comunicando que o neto estava na calçada, recém-chegado de São Paulo. O motorista do ônibus clandestino também estava no local, aguardando o pagamento por ter levado o menino à casa da avó.

"Eu falei para ele que eu não ia pagar, porque ele não tinha entrado em contato comigo, e que ele já tinha feito uma parte errada de ter trazido duas crianças sem a presença do pai e da mãe, e aí eu não ia estar alimentando uma coisa errada dessas", disse a avó do menino em entrevista à TV Verdes Mares.

Ainda segundo a avó, que prefere não se identificar, não é a primeira vez que a mãe da criança manda o filho. Ela já teria abandonado o menino quando ele tinha apenas um mês de vida na frente da casa de um familiar.

"Quando ele tinha um mês de nascido, ela deixou ele na porta de uma tia minha, chovendo. Eu estava viajando, minha tia pegou essa criança. A gente até ia pra justiça, mas eu tinha muito medo de me envolver assim com justiça. Na época eu não corri atrás porque logo ela voltou a morar com meu filho", relembra. O filho dela, pai do garoto, morreu há nove anos.

Já com os familiares no Ceará, o garoto também disse que sente saudades da irmã e que prefere continuar onde está, ao lado dos avós, do que onde morava com a mãe. "É bem melhor aqui e tudo. Aqui tem celular, tem tv, tem tudo. Aqui tem videogame, computador, um monte de coisa. Sinto muita saudade dela (irmã). Queria falar que eu amo ela", disse o menino.

Os avós acionaram o Conselho Tutelar e aguarda a chegada de conselheiros à casa deles. A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) disse, em nota, que a Polícia Civil investiga o caso. Também procurada, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) disse que, quando o transporte é regular, nenhuma criança pode viajar desacompanhada.

G1 CE
Postagem Anterior Próxima Postagem