Moro vai para partido de Capitão Wagner e candidatura a presidente vira dúvida


O ex-ministro Sérgio Moro deverá se filiar ao União Brasil. Além do impacto nacional da saída dele do Podemos, a mudança pode ter reflexos no Ceará. O União Brasil é o partido que passou a ser comandado no Estado pelo deputado federal Capitão Wagner, pré-candidato a governador. Apesar do discurso de palanque aberto a vários candidatos a presidente, Wagner tem declarado apoio a Jair Bolsonaro (PL) na eleição presidencial. Porém, há possibilidade de Moro desistir da candidatura a presidente, o que evitaria problemas para Wagner conciliar os palanques.

Moro já informou à presidente do Podemos, Renata Abreu, que deixará o partido. Ele foi convidado a ir para o União Brasil para ser candidato a deputado federal. Moro foi apresentado como pré-candidato presidencial, mas enfrentava resistências no Podemos, sobretudo dos deputados federais, que não querem ceder a quantia do fundo eleitoral para a campanha ao Palácio.

"Saiu oficialmente, comunicou à presidente do partido, Renata Abreu, agora cedo", disse o senador Jorge Kajuru (Podemos-GO). "Ele está querendo um partido com estrutura financeira, que o Podemos não tem. O Podemos tem uma coisa melhor que estrutura financeira, tem credibilidade, tem um Álvaro Dias no quadro como líder", afirmou Kajuru.

Camilo diz que sua maior frustração no governo foi não ter alcançado resultados melhores na segurança
Ciro Gomes sobre Moro e Doria: "Muitos vão ceder, mas não serei eu"
 
Moro tem aliados no União Brasil, como os deputados Júnior Bozzella (SP) e Kim Kataguiri (SP), mas uma ala de caciques oriundos do DEM, comandada pelo secretário-geral da legenda, ACM Neto, e pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado, não querem tê-lo como candidato a presidente.
Segundo integrantes do partido, a condição imposta a eles para Moro entrar na sigla foi ser candidato a deputado federal. A reportagem tentou entrar em contato com o ex-juiz por meio da assessoria, mas não obteve retorno.

Reviravolta

O ex-juiz da Lava Jato esteve com o presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar, na segunda-feira, 28, e os dois debateram sobre a possibilidade de unificar as candidaturas de terceira via. O União Brasil, partido que foi originado da fusão do PSL com o DEM, mantém diálogos constantes com o PSDB e o MDB para tentar apresentar uma candidatura única alternativa ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Outra reviravolta importante dentro do grupo aconteceu com a decisão do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de desistir de participar da eleição presidencial. O paulista inclusive manifestou o desejo de sair da legenda. Doria tem sido alvo de uma forte oposição interna no PSDB, que quer que Eduardo Leite (PSDB), recentemente saído do governo do Rio Grande do Sul, seja a opção presidencial. No MDB, a pré-candidatura apresentada é a da senadora Simone Tebet (MS). A aliados, a parlamentar se mostrou otimista com a crise tucana e vê chance de o MDB liderar a candidatura da terceira via.

O povo



 

Postagem Anterior Próxima Postagem