Nutrição animal: veterinário explica quais são os alimentos mais indicados para os pets

 

Você sabia que nem todos os alimentos podem ser consumidos por cães e gatos? Às vezes é difícil resistir ao olhar pidão do bichinho, entretanto, é nessas horas que o cuidado com a saúde dos animais deve prevalecer. Diversos alimentos podem causar distúrbios gastrointestinais e intoxicação alimentar, que resultam em vômitos, diarreia e mal-estar, podendo até levar o animal a óbito.

O médico veterinário Ronaldo Argôlo Filho, coordenador do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Unime Itabuna, na Bahia, reforça que a melhor alimentação para cães e gatos é a ração, visto que ela é desenvolvida por especialistas, levando em conta diversos critérios específicos para cada espécie, idade e até mesmo específicos para algumas raças de cães e gatos.

“Os pets estão acostumados a ter sempre a mesma alimentação: a ração. Por isso, o organismo deles está acostumado a digerir “algo conhecido”. Quando o tutor fornece alimentos de seu próprio consumo para o pet, o organismo do bichinho precisa fazer um esforço grande para digerir aquele novo alimento, além deste potencialmente conter ingredientes inadequados, gerando problemas de saúde, como distúrbios gastrointestinais e intoxicação alimentar”, explica.

Caso queira fazer qualquer alteração na alimentação do animal, como trocar de ração ou começar a oferecer alimentação natural, é preciso prepará-lo para que se adapte gradualmente. Na dúvida, o especialista, recomenda procurar um médico veterinário que possa receitar a dieta correta para seu bichinho. 

“Se surgir alguma dúvida sobre a quantidade de ração a ser oferecida ao pet, fique tranquilo para seguir as medidas que encontramos no pacote de ração, pois elas são confiáveis. O ideal é que a comida seja oferecida ao pet de forma que ele não fique muitas horas sem comer, conforme a rotina dos habitantes da casa: dê a ração pela manhã e à tarde, e ofereça petiscos adequados nos intervalos”, esclarece. Ronaldo afirma que o tutor pode agradar o pet e variar um pouco o cardápio, fornecendo outras opções saudáveis como frutas específicas para cada animal, mas nunca substituindo a ração. Abaixo, confira uma lista de alimentos possíveis para essa situação.

Para cachorros: 

  • Abóbora sem nenhum tempero 
  • Banana sem a casca 
  • Beterraba cozida e sem tempero 
  • Brócolis cozido e sem tempero 
  • Batata doce cozida sem tempero 
  • Carne bovina ou de frango cozida e sem tempero (sem osso) 
  • Cenoura crua e sem casca ou cozida sem tempero 
  • Chuchu cozido e sem tempero 
  • Couve-flor cozida e sem tempero 
  • Espinafre cozido e sem tempero 
  • Goiaba com casca 
  • Inhame sem casca, cozido e sem tempero 
  • Maçã sem a casca, sementes e o miolo 
  • Manga sem casca e sem caroço 
  • Manteiga de amendoim feita em casa, sem sal ou açúcar acrescentados 
  • Melancia sem casca nem sementes 
  • Pera sem casca, sementes e sem talo 

Para gatos: 

  • Carne de frango cozida sem tempero, gordura ou ossos
  • Carne magra bovina cozida sem tempero
  • Peixes cozidos sem tempero e sem espinhas
  • Ovos cozidos sem tempero
  • Abóbora
  • Cenoura
  • Espinafre
  • Brócolis
  • Maçã sem casca e sementes
  • Pera sem casca e sementes
  •  Melancia sem casca e sementes
  •  Melão sem casca e sementes
  •  Banana sem casca

Petiscos ou outros industrializados podem fazer mal!

Tanto para cachorros como para gastos, não é recomendável oferecer produtos industrializados, pois eles contêm sal, açúcares e condimentos que fazem mal ao organismo dos bichinhos. O veterinário alerta para o oferecimento de petiscos industrializados em excesso: por conterem mais gorduras e açúcares do que a ração, eles podem fazer mal a longo prazo. Outro ponto é que, consumindo muitos petiscos, o animal pode deixar a ração de lado, que é a alimentação mais saudável e recomendada.

Alimentação natural ou caseira é melhor?

Em primeiro lugar, antes de preparar qualquer alimentação natural, é essencial consultar um médico veterinário especialista. Só um profissional saberá formular uma nutrição animal adequada e equilibrada ao seu pet, que contenha todos os nutrientes essenciais e não possua ingredientes que possam causar intoxicação alimentar. “Além disso, refeições caseiras aumentam o risco de doenças odontológicas, por causarem maior acúmulo de tártaro, então o tutor deve ficar de olho”, alerta o veterinário.

Por outro lado, a alimentação natural possui menos corantes, sal e está longe de processos industriais, o que traz efeitos benéficos na saúde do pet, quando elaborada com orientações profissionais. Se for orgânica, a alimentação se torna ainda mais saudável, por não apresentar produtos químicos. No caso dos gatos, a alimentação natural precisa prezar por maior concentração de proteínas, pois os bichanos são essencialmente carnívoros. 

Por fim, atenção com limpeza dos comedouros e bebedouros

De nada adianta o tutor se preocupar com a alimentação, mas deixar de lado a limpeza dos locais onde eles realizam as refeições. Bebedouros ou comedouros que não são limpos com frequência podem acumular sujeira e matéria orgânica, facilitando a proliferação de bactérias e fungos que podem ser nocivos ao pet. O veterinário recomenda limpar os utensílios com água corrente, detergente ou sabão neutro, usando uma esponja específica e trocá-la regularmente. É também preciso enxaguar e secar bem as vasilhas.



Postagem Anterior Próxima Postagem