Adolescente de 14 anos apreendido por atear fogo em motorista de aplicativo é morto em centro socioeducativo


Um adolescente de 14 anos foi espancado, torturado e morto dentro do Centro Socioeducativo do Canindezinho, no último domingo, 24. Ele foi apreendido por ato infracional similar ao latrocínio (roubo seguido de morte), em razão da morte do motorista de aplicativo José Hilker Assunção de Sousa, que teve 95% do corpo queimado e faleceu após quatro semanas internado no Instituto Doutor José Frota (IJF), Centro. 

O caso foi registrado em novembro de 2020. Hilker foi assaltado e, de acordo com a Polícia, ao descobrirem fotos dele fardado, do período em que ele pertencia às Forças Armadas, resolveram atear fogo contra o profissional. 

O POVO apurou, com uma fonte ligada ao sistema socioeducativo, que os adolescentes que dividiam espaço com a vítima descobriram que ele era um dos envolvidos no caso que vitimou Hilker, então, decidiram matá-lo. "Os adolescentes, quando descobriram, pegaram ele, enforcaram e depois cortaram ele com gilete", relatou a fonte.

Ainda de acordo com informações apuradas pelo O POVO, o adolescente estava com mais dois familiares no centro socioeducativo, todos envolvidos na mesma ação contra o motorista de aplicativo. Eles permaneciam no mesmo dormitório, no entanto, a vítima teria sido transferida para um outro dormitório com outras pessoas, que teriam sido os responsáveis pelo ato infracional dentro dentro da unidade. 

Os envolvidos teriam chamado os agentes socioeducativos e mostrado o que fizeram. O Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu) foi acionado para um possível óbito, que foi constatado posteriormente. 

Por meio de nota, a Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo (Seas) informou que houve uma ocorrência na noite de domingo, 24, no Centro Socioeducativo Canindezinho, que resultou na morte de um adolescente de 14 anos. "O fato, isolado, aconteceu por volta das 21h, em um dos alojamentos, no qual estavam quatro adolescentes, entre eles a vítima", informou o órgão.

De acordo com a Seas, os três envolvidos foram identificados e encaminhados à Delegacia para procedimentos. Os coordenadores da Seas (de Segurança e de Gestão) compareceram à unidade, realizaram os relatórios formais e encaminharam a comunicação ao Sistema de Justiça do Estado.

"A Seas informa, ainda, que a Assessoria de Diretrizes Socioeducativas e a Equipe Técnica estão prestando apoio à família do adolescente. A Corregedoria já apura as causas do ocorrido", informou. 

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que três adolescentes com idades de 15 e 17 anos foram conduzidos à Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA). Os três possuíam atos infracionais análogos a homicídio, tráfico de drogas e roubo. Eles foram colocados à disposição da Justiça.
O povo
Postagem Anterior Próxima Postagem