Pai pega filho de 14 anos com cocaína em casa e o entrega a polícia


“Fiz isso para o bem dele. Não podia deixar que ele entrasse para este mundo do crime sem fazer nada”. Esta foi a explicação de Geraldo Moreira Bastos, pai de um adolescente de 14 anos apreendido pela Polícia Militar em Carmo do Cajuru, região Centro-oeste de Minas Gerais. O menino foi entregue à PM pelo próprio pai neste domingo, após o homem encontrar uma sacola com papelotes de cocaína debaixo do colchão de uma cama no quarto do garoto.

As suspeitas do pai sobre o comportamento do filho começaram em janeiro deste ano. Desde então, Geraldo passou a notar que o menino estava andando com “más companhias” e que havia mudado a forma de agir e lidar com os familiares.

Desde então, Geraldo aumentou a vigilância sobre o filho. Passou a observar ainda mais o garoto e perguntar quem eram as companhias com que ele andava. Há cerca de duas semanas, as desconfianças de que o adolescente estava envolvido com o crime aumentaram quando uma balança de precisão foi encontrada no quarto do menino. “Eu já tinha comentando com meu genro, que o meu filho estava estranho, andando com pessoas que eram más companhias. Meu genro tinha tido a mesma impressão. Quando encontramos essa balança, ele disse que era de um conhecido que tinha pedido para ele guardar. Só que eu sentia que não era só isso. Desconfiava de que tinham outras coisas além disso”, explica o pai.

Neste domingo, o que a desconfiança passou a ser fato concreto. Aproveitando um momento em que o adolescente não estava em casa, Geraldo vasculhou o quarto do adolescente e encontrou 13 papelotes de cocaína dentro de uma sacola escondidos embaixo do colchão de uma cama. Imediatamente, Geraldo chamou o genro e mais um vizinho e, assim que o filho retornou para casa, levou o adolescente até a sede da Polícia Militar em Carmo do Cajuru. “Não tive outra alternativa. Ia fazer o quê, esperar que ele se afundasse ainda mais nessa sujeira? Aprendi que tudo o que um homem fizer, seja coisa boa ou ruim, ele tem que assumir. Vai ser assim com ele também”, destaca Bastos.

Em depoimento à PM, o adolescente, que não tinha antecedentes criminais, disse que pegou a droga para vender com um traficante do bairro Nossa Senhora do Carmo, também em Carmo do Cajuru. O menino informou que a cocaína estava avaliada em 700 reais. Destes, o garoto disse que ficaria com 200 reais como pagamento pela venda da droga. “Eu sou um homem simples, mas meu filho sempre teve tudo o que precisava. Não crio filho para ser bandido, para ganhar a vida vendendo droga. Tudo o que temos é fruto de trabalho e, por isso, levei ele para a Polícia. Foi para o bem dele”, garante Geraldo.

Enquanto isso, seu Geraldo disse estar “tranquilo e de consciência limpa”. “Faria tudo novamente e quero apenas que aprenda com essa lição para mudar tudo o que está errado na vida dele”, diz o pai do adolescente.

Correio Braziliense
Postagem Anterior Próxima Postagem