Preso por tapa em nádegas de mulher em Fortaleza foi detido pelo mesmo crime em 2020


O mototaxista preso nesta terça-feira (5) por suspeita de dar um tapa na bunda de uma mulher em Fortaleza já havia sido preso pelo mesmo crime em um caso ocorrido em outubro de 2020. Na ocasião, a placa da motocicleta conduzida pelo homem estava visível, populares anotaram e chamaram a polícia. O crime ocorreu em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza.

Dois anos depois, respondendo criminalmente pelo ocorrido em 2020, o homem repetiu o crime, de acordo com a polícia. Uma mulher caminhava por uma rua no Bairro Ellery, na capital cearense, quando foi surpreendida pelo suspeito.

Uma câmera de segurança da vizinhança flagrou o momento em que ele se aproxima e dá um tapa na parte íntima da vítima, que se assusta e sai correndo. O caso ocorreu em 21 de março e o homem teve prisão preventiva decretada nesta terça.

"Durante as investigações, a gente conseguiu identificar que esse investigado já teria sido preso em flagrante pelo cometimento do mesmo crime num município próximo e, na ocasião, a placa da moto estava de fácil acesso, e populares que presenciaram o crime anotaram a placa", afirma Manuela Costa, delegada de Defesa da Mulher.

"Ele responde criminalmente sobre esse fato ocorrido em 2020. Já aqui em Fortaleza, quando do cometimento desse crime, ele tinha colocado um pano para cobrir a placa, acreditando que isso iria impossibilitar a identificação do mesmo", diz.

O mototaxista foi preso após a polícia descobrir que ele estava cadastrado no serviço de transporte. Os agentes foram até o local onde ele costumava ficar, um ponto de mototáxi na Praça do Ferreira, no Centro de Fortaleza, e fizeram a captura.

Importunação sexual

As imagens da câmera que flagrou o crime em Fortaleza mostram a jovem caminhando sozinha na via. O trecho é estreito, e a mulher segue em uma parte da pista, próximo ao canteiro. Em determinado momento, o condutor aparece em uma moto amarela, se aproxima da vítima pelas costas e dá um tapa no corpo da mulher.

A moto usada pelo suspeito estava com a placa coberta por um pano. A pena prevista para condenados por crime de importunação sexual é de até cinco anos de prisão.

A delegada Manuela Costa alerta para que mulheres que forem vítimas de algum crime sexual denuncie o caso para que a polícia possa investigar.

"É de extrema importância que qualquer mulher que tenha sido vítima de crime sexual procure a delegacia de defesa da mulher, e em municípios que não tenham delegacia especializada, podem procurar qualquer delegacia mais próxima e fazer a denúncia", pontua.

Crime de importunação sexual

A lei que tornou crime a importunação sexual – e também a divulgação de cena de estupro, de cena de sexo ou de pornografia – completou três anos em setembro de 2021. Sancionado em setembro de 2018, o texto refere-se a:
  • importunação sexual – o ato libidinoso praticado contra alguém, e sem a autorização, a fim de satisfazer desejo próprio ou de terceiro;
  • e divulgação de cena de estupro, de cena de sexo ou de pornografia – trata-se da divulgação, por qualquer meio, vídeo e foto de cena de sexo ou nudez ou pornografia sem o consentimento da vítima, além da divulgação de cenas de estupro.
G1 CE
Postagem Anterior Próxima Postagem