PT, PCdoB e PV registram Federação Brasil da Esperança para candidatura de Lula


As direções nacionais do PT, PCdoB e PV registram nesta segunda-feira (18) o estatuto e o programa da federação partidária “Brasil da Esperança”. Os documentos foram aprovados em reunião no último domingo.

Na última quarta-feira (13), o PT aprovou a federação com PCdoB e PV durante uma reunião do diretório nacional do partido. A Assembleia Geral da Federação, órgão máximo de deliberação, será composta por 60 membros – sendo nove vagas distribuídas igualmente (três por partido) e 51 distribuídas na proporção dos votos obtidos por cada partido nas eleições para a Câmara dos Deputados de 2018.

A primeira presidente da federação partidária será a deputada Gleisi Hoffmann (PT); a primeira vice-presidente, Luciana Santos (PCdoB), e o segundo vice, José Luís Penna (PV). O mandato é de um ano, com rodízio entre os presidentes de cada um dos partidos, podendo haver recondução por decisão unânime.

Os partidos da federação PT, PCdoB e PV deverão atuar em conjunto no Congresso e na sociedade “para promover a reconstrução do país, a defesa da soberania nacional, da democracia e dos direitos do povo, para fortalecer a candidatura do presidente Lula e sua base parlamentar”.

Em nota assinada pelos presidentes dos partidos, a federação diz que atuará como “força decisiva para libertar nosso país do desastroso governo da extrema da direita”. “Tendo em vista essa gigantesca tarefa, a Federação terá que, em torno da liderança da ex-presidente Lula, agregar, reunir e mobilizar amplas forças políticas, sociais, econômicas e culturais para que o povo e a democracia sejam vitoriosos nas eleições de outubro.”

O que são as federações partidárias
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, em 16 de dezembro, as resoluções sobre a escolha e registro de candidaturas para as eleições de 2022. Dentro das regras estão as chamadas federações partidárias, que após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em 9 de fevereiro, foram declaradas constitucionais. Ela permite que dois ou mais partidos atuem de forma unificada durante as eleições e na legislatura, devendo permanecer com a união por no mínimo quatro anos.

CNN
Postagem Anterior Próxima Postagem