Ciro pede que pré-candidatos a presidente se unam contra risco de "golpe" no Brasil

Foto: JULIO CAESAR

O ex-ministro e presidenciável Ciro Gomes (PDT) afirmou que há “indícios muito claros” de que está em curso um golpe contra a democracia no Brasil e que a ação é orquestrada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e apoiadores. De acordo com o pedetista, as próximas eleições são o alvo e é necessário que os demais pré-candidatos e lideranças políticas se unam contra a eventual investida.

“Todo mundo está vendo indícios muito claros de que está em curso um golpe contra a democracia brasileira. O alvo são as próximas eleições. Ou a sociedade e as lideranças políticas tomam providências agora ou chegaremos a um ponto sem retorno”, alertou Ciro durante transmissão ao vivo na última terça-feira, 10.

Segundo o ex-ministro, as manobras são “muito sofisticadas” e envolvem a “guerra da informação, contrainformação, manipulação e espionagem”. Ciro cobrou que todos os pré-candidatos, de todos os partidos, se unam para denunciar o risco. “Eu faço essa convocação e espero ser ouvido por todos os pré-candidatos”, enfatizou. 

Durante a fala, o ex-ministro culpou ainda o ex-presidente Lula de “chamar o Brasil para dançar na beira do abismo” e de “tramar” para enfraquecer outras pré-candidaturas ao Planalto. "Alô, seu Luiz Inácio (Lula). Cansei de mobilizar quando o Bolsonaro tem cometido tantos e tão graves crimes de responsabilidade, que nós precisávamos pará-lo pelo processo de impeachment. Você, Lula, rasteiro, resolveu de novo chamar o Brasil para dançar na beira do abismo”, comentou, referindo-se ao que considera um desinteresse de Lula pelo afastamento do presidente Bolsonaro.

Ciro disse ainda que Lula parece muito mais interessado em destruir outras pré-candidaturas do que ir contra os golpistas. “Trama todo dia para tomar o MDB da (pré-candidata) Simone Tebet. Alguém tem que dizer ao Lula que a democracia não se faz destruindo as organizações. Se é tão danado e já ganhou, por que não deixa os outros competirem?”, questionou.

Nesta semana, foi noticiado que o governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, teria autorizado a distribuição de um artigo, de autoria do diplomata Scott Hamilton, alertando para um eventual cenário de ruptura democrática no Brasil em caso de derrota eleitoral do atual presidente Jair Bolsonaro (PL) no pleito de outubro. A informação é da revista Veja.

Dias antes, a agência de notícias Reuters informou que o diretor do serviço de inteligência dos EUA (CIA na sigla em inglês), William Burns, teria aconselhado membros do governo brasileiro a recomendar que Bolsonaro parasse de questionar a lisura do processo eleitoral. O conselho teria sido dado durante uma reunião em julho do ano passado.

O povo
Postagem Anterior Próxima Postagem