Com precipitações da estação chuvosa, Ceará sai do alerta de escassez hídrica

Barragem do Batalhão, em Crateús, é um dos 35 reservatórios cearenses que estão sangrando atualmente - Foto: Divulgação/Cogerh

Com o volume de precipitações registrado na estação chuvosa de 2022, o Ceará saiu da situação de alerta para escassez hídrica. Até a noite desta segunda-feira, 30, o nível dos reservatórios monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) chegava a 37,5%. O percentual é suficiente para retirar o Estado do patamar mais preocupante para falta d´água, quando o índice fica abaixo de 30%.

Segundo dados do Portal Hidrológico do Ceará, monitorado pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) em parceria com a Cogerh, a mudança de classificação veio no segundo mês da estação, no dia 15 de abril, quando o volume médio alcançou a casa dos 30,5%. O indicador estava abaixo desse patamar desde setembro de setembro de 2020.

Com a continuidade das chuvas na segunda quinzena de abril e ao longo de maio, o aporte dos açudes cearenses seguiu aumentando. O índice já é o maior, pelo menos, desde 2019. Devido a instabilidades no sistema, o Portal Hidrológico não disponibilizou, na noite desta segunda, 30, os números dos anos anteriores.

Ainda de acordo com a ferramenta, o Estado tem cerca de 35 reservatórios sangrando. Outras 11 barragens estão na iminência de transbordar, com níveis de reserva hídrica acima de 90%. O açude Ubaldinho, em Cedro, que tem volume de 99,85% , é o que está mais perto de verter águas. Em situação oposta, 48 reservatórios concentram recargas hídricas abaixo de 30% e continuam em alerta para escassez.

Com a melhora no aporte dos açudes, O POVO perguntou à Secretaria de Recursos Hídricos do Ceará (SRH) se as reservas de água nas barragens cearenses são suficientes para garantir a segurança hídrica no Estado até o fim do ano. A pasta alegou, no entanto, que a resposta só será possível após a consolidação dos dados da estação chuvosa. "Está sendo feito um amplo levantamento sobre a situação de cada reservatório para saber qual a influência das chuvas recentes no nível acumulado", informou a assessoria de imprensa da pasta.

Das doze bacias hidrográficas do Estado, quatro ainda estão no estágio de alerta: Banabuiú (7,89%), Curu (21,27%), Médio Jaguaribe (22,43%) e Sertões de Crateús (22,91%). Na contramão, outras quatro acumulam volumes expressivos: Acaraú (85,32%), Coreaú (93,90%), Metropolitana (83,02%) e Baixo Jaguaribe (100%). No geral, as bacias monitoradas concentram 157 açudes, que juntos têm capacidade de acumular cerca de 18,5 bilhões de metros cúbicos (m³). Atualmente, o volume é de pouco mais de 6,9 bilhões (m³).
O Povo Online
Postagem Anterior Próxima Postagem