Mãe consegue na Justiça direito de cultivar maconha em casa para uso medicinal da filha, no Ceará

Mãe consegue na Justiça direito de plantar maconha em casa para uso medicinal da filha com condição rara, no Ceará. — Foto: Arquivo pessoal

A terapeuta holística Amanda Maia, mãe de África Luna, conseguiu na Justiça o direito de cultivar maconha em casa para uso medicinal no tratamento da filha. A menina, de 6 anos de idade, tem diagnóstico de fibrose cística, uma condição genética rara, crônica e progressiva caracterizada pela ocorrência de secreções espessas e viscosas em diversos órgãos.

Amanda agora poderá extrair da erva, em manuseio doméstico, o óleo canabidiol que, conforme relata, “diminui a velocidade da degradação do pulmão e pâncreas, reduz as crises de tosse e ajuda a manter um equilíbrio melhor do organismo dela”.

Moradora de Limoeiro do Norte, município do Vale do Jaguaribe, ela recorda que em fevereiro deste ano foi vítima de denúncia e chegou a ser conduzida à delegacia para informar o motivo de ter cannabis em casa. A queixa apresentada anonimamente à Polícia era a de “existência de drogas no local”. A suspeita era de tráfico.

“Sempre sofri muito preconceito por fazer esse tipo de tratamento na minha filha, até mesmo por parte dos médicos, que ainda são muito resistentes ao assunto. Mas desde sempre me incomodava bastante ela ter tantas crises de tosse, colonização de bactérias no pulmão etc. Isso quebrava totalmente a rotina dela e fazia ela faltar a maior parte das aulas porque às vezes ela também tinha que internar. Então, nossa rotina era bem voltada pras medicações”, recorda Amanda.

A terapeuta holística chegou à Defensoria Pública em Limoeiro do Norte e a defensora Lívia Soares atuou no caso. “Depois de debatermos as melhores estratégias, fizemos um habeas corpus para que fosse trancada a ação penal que ela estava sendo enquadrada, do uso de drogas, e para que fosse autorizado o cultivo da cannabis na casa dela, sob a alegação da necessidade do tratamento da filha. O primeiro parecer do Ministério Público foi favorável”, disse a defensora.

África tem o diagnóstico de fibrose cística desde os três meses de vida. “No início, o tratamento consistia em ela ser acompanhada por uma equipe de diversos profissionais: pneumologista, fisioterapeuta pulmonar, nutricionista…e medicações, tudo pelo SUS”, lista a mãe. “Eu achava que o canabidiol servia só para questões neurológicas, mas descobri, na conversa com um colega em 2020, que o uso do óleo poderia ser a saída para o estado de saúde da minha filha. Foi quando passei a pesquisar e a estudar o assunto. Vi ali uma grande oportunidade de melhorar a saúde da minha filha”, ressalta Amanda.

Após buscar especialistas e com as receitas para o tratamento da filha, Amanda conseguiu autorização da Anvisa para a importação do medicamento. Assim, com a ajuda da família, a mãe custeou a administração do óleo por conta própria durante alguns meses, período esse classificado por ela como “os melhores meses de vida da criança”.

Porém, para o tratamento continuar na dosagem médica indicada, seria necessário pelo menos um frasco do medicamento por mês, o que exigiria um investimento de quase R$ 50 mil por ano. No entanto, África se alimenta exclusivamente de uma dieta especial, condição definitiva também imposta pela doença.
GCMais
Postagem Anterior Próxima Postagem