Ceará e mais dois estados têm até 95% de probabilidade de crescimento de casos SRAG por Covid, diz boletim da Fiocruz

Conforme o InfoGripe, a Covid corresponde a 59,6% dos casos de SRAG com resultado laboratorial positivo para vírus respiratórios nas últimas 4 semanas - Vanderlei Almeida/AFP

O Ceará, Amapá e Pará, apresentam sinal moderado, com probabilidade entre 75% e 95%, no crescimento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por Covid-19, segundo o novo Boletim do InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), divulgado nesta quarta-feira (1º).

Conforme o InfoGripe, a Covid corresponde a 59,6% dos casos de SRAG com resultado laboratorial positivo para vírus respiratórios nas últimas 4 semanas. Em seguida, na prevalência de causadores de casos positivos das síndromes, estão 25,1% vírus sincicial respiratório, 4% Influenza A e 0,4% Influenza B. A Covid-19 (SARS-CoV-2) esteve presente em 91,1% dos óbitos causados pela SRAG, além de 4,1% por vírus sincicial respiratório e 1,6% por Influenza A.

Em relação às capitais, Fortaleza também apresenta sinal de crescimento de síndromes respiratórias na tendência de longo prazo, com outras 18 cidades. O município está entre as macrorregiões de saúde que apresentam incidência de casos semanais em macros em nível alto.

Ceará, Amapá e Pará apresentam sinal moderado de aumento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causada por Covid-19. — Foto: Fiocruz/ Divulgação

Cenário nacional
Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e São Paulo observa-se sinal forte, com probabilidade acima de 95%, de crescimento na tendência de longo prazo (últimas 6 semanas) até a semana 21, que corresponde do dia 22 a 28 de maio.

Já o Maranhão, apresenta sinal de crescimento apenas na tendência de curto prazo, últimas 3 semanas. As outras seis unidades federativas analisadas no boletim apontam sinal de estabilidade na tendência de longo prazo.

Síndromes respiratórias por faixa etária
Conforme o boletim, os dados referentes aos resultados laboratoriais por faixa etária seguem apontando para amplo predomínio do vírus SARS-CoV-2, do coronavírus, especialmente na população adulta.

Nas crianças de 0 a 4 anos, o aumento nos casos de SRAG foi marcado por aumento nos casos positivos para vírus sincicial respiratório (VSR) e leve aumento nos casos de rinovírus e metapneumovírus, além da presença do coronavírus, que vem aumentando nas semanas recentes acompanhando a tendência da população adulta.

Já no grupo de 5 a11 anos observa-se sinal de interrupção de queda nos resultados positivos para Covid na segunda quinzena de fevereiro, e aumento na detecção de outros vírus respiratórios no mês de março, com predomínio de positivos para rinovírus.

Embora não se destaque no dado nacional, o vírus Influenza A (gripe) mantém sinal de crescimento em diversas faixas etárias no estado do Rio Grande do Sul.
G1 CE
Postagem Anterior Próxima Postagem